Buscar

Agricultor familiar multiplica por 8 produção de leite com ajuda de técnicos da Casa da Agricultura

Trabalho de extensionistas rurais de 574 Casas da Agricultura está ameaçado após Estado anunciar intenção de fechar os prédios



José Cleber Galvão Freire, 38 anos, conhecido como Cleber, viu a produção de leite da pequena propriedade ser multiplicada por oito nos últimos nove anos. O pequeno produtor familiar decidiu contar a história após saber que a Secretaria Estadual de Agricultura e Abastecimento (SAA) planeja fechar 574 Casas da Agricultura no Estado.


O sítio dele, em Campos Novos, distrito de Cunha, no Vale do Paraíba, era deficitário, estava endividado e sem perspectivas quando o produtor conheceu o trabalho de extensão rural feito pela Casa de Agricultura de Guará. E foi por acaso.


"Fui até a Casa da Agricultura para retirar um documento (DAP - Declaração de Aptidão Rural) para pedir um financiamento rural. Enquanto esperava, ouvi a conversa do engenheiro agrônomo com outro produtor e resolvi contar minha situação", lembra Cleber.


Segundo ele, o engenheiro, na mesma hora, pediu para conhecer a propriedade de 12 hectares e que só dava prejuízo. "Ele veio aqui, fez umas perguntas, olhou a propriedade e foi embora".


Dois dias depois, o técnico voltou ao sítio. "A opção era vender tudo para pagar as contas ou aceitar a assistência técnica, e foi o que eu escolhi".


A mudança no trabalho foi imediata. Cleber percebeu que "fazia tudo errado", mas que era possível tornar a propriedade rentável. "Antes eu comprava vaca dos outros e o animal já vinha 'doente', então ele não produzia. Hoje, não. Com inseminação artificial, criamos nossas próprias vacas que são bem mais produtivas", acrescenta.


A assistência técnica oferecida pela Casa de Agricultura mudou até a forma como os fornecedores são escolhidos, um dos erros cometidos por Cleber antes da assistência. Ele conta que comprava e tinha que buscar insumos longe da propriedade, o que encarecia o produto e inviabilizava o lucro.


"A gente, às vezes, não tinha ou usava ração velha. Hoje, só temos produto bom, usamos o sistema de pastejo rotacionado, com cana, capim, Brachiaria brizantha", conta.


Resultados


O trabalho fez a produção mensal de leite da propriedade saltar de 2.100 litros em 2011 para 18 mil litros este ano. Todo trabalho é feito em família, com a ajuda da esposa e do filho de 18 anos.


Com mais produtividade, o produtor conseguiu organizar as contas e fazer investimentos no sítio. "Antes, eu tinha uma carroça. Hoje tenho trator novo, equipamentos novos para retirar o leite. A assistência dos técnicos foi muito importante pra mim e não sei como seria sem a Casa de Agricultura", afirma.


A produção de leite do sítio é vendida em Guará, Lorena e Paraty. Casos de sucesso na agricultura e pecuária como o da família de Cleber são encontrados em todas as regiões do Estado, mas, segundo a Associação Paulista de Extensão Rural (Apaer), correm o risco de não se repetirem. A Secretaria de Agricultura e Abastecimento (SAA) de São Paulo divulgou a intenção de fechar as Casas da Agricultura, ligadas à Coordenadoria de Desenvolvimento Rural Sustentável (CDRS – mais conhecida como CATI), e também mais da metade (48) dos Escritórios de Desenvolvimento Rural e Escritórios de Defesa Agropecuária, das 80 unidades em funcionamento.


"O fechamento das Casas da Agricultura vai atingir diretamente cerca de 300 mil agricultores familiares do Estado que recebem orientação dos extensionistas que atuam no meio rural, comprometendo o desempenho dessas pequenas propriedades, prejudicando e encarecendo a produção de alimentos essenciais para nossa sociedade como leite, frutas, ovos e hortaliças. Existem outras formas de diminuir o déficit no orçamento – diminuir a desoneração fiscal de grandes empresas é uma delas", afirma Antônio Marchiori, presidente da APAER.


Ministério Público


Assim que a intenção da SAA foi anunciada, a APAER recorreu ao Ministério Público de São Paulo (MP-SP) para ter acesso ao plano de reestruturação da Secretaria, que prevê o fechamento das 574 Casas da Agricultura no Estado e escritórios. A MP-SP ainda não se posicionou. A Defensoria Pública também analisa a situação.